quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Barrigão

Enquanto eu e Lu Arruda cultivamos nossas Über Master barrigonas,
Vamos revelar um segredo pra vocês da nossa rede:

http://shaidehalim.blogspot.com/2011/01/simpatia-para-tirar-barriga.html

Ahhh, é verdade . . . tenham paciência comigo nesse momento: eu tô rindo  à toa e tô meio bobona sim.
Que delícia, hein.
Aproveito pra deixar um beijão pra Lu e mandar vocês para http://www.abailarina.com - o post sobre gravidez e a entrevista com o Habib, Jorge Sabongi estão bons demaaaaais! 
Parabéns Lu =D

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Coisas que não entendo

Nossa, descobri que meu conhecimento em assuntos de gravidez e baby stuff é nuloooo.
A parte leve e  fútil da descoberta eu conto: entre outras coisas entrei numas lojas de enxovais e tudo aquilo me pareceu tão chato. Apesar da imensa quantidade de produtos para gestantes e recém nascidos - toda essa variedade está voltada para variações do mesmo tema: bichinhos, figuras infantilizadas e tal e coisa. Deve ser saudável, para o bebê. Para a mãe tenho minhas dúvidas . . . afinal de contas ela vira mais um acessório, cheirinho de talco e lavanda. Aprecio muito tudo isso, mas algo me diz nos "instintos  deep inside": tudo que é demais faz mal.

Sei lá, tô me identificando mais com as mamães do Animal Planet, do Discovery, me vejo mais como mãe no mundo natural. Isso me alegra muito, até porque serei uma mãe do mundo natural com facilidades suuuuper convenientes: fraldas descartáveis e outras coisas.

Quanta bobagem, né? hahahah
Fazer o quê? Felicidade deixa a gente meio besta mesmo.


terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Encare o Black Swan

A dança, seus bastidores menos glamourosos, mais humanos e muito mais interessantes - pra mim, pelo menos. É o que todo mundo espera ver em Cisne Negro ( Black Swan, 2010) no Brasil em fevereiro deste ano.
Se o Carnaval não atrapalhar, seria ótimo que todo mundo parasse pra pensar no assunto: a realidade dura que qualquer bailarino conhece - A única pessoa que pode interromper seu caminho é você mesma.
Se você já encontrou seu lado sombrio, encarou o malvado, talvez tenha feito as pazes com ele.
Seja você uma über dancer ou uma simples aspirante ao cargo - com certeza a vaidade já te consumiu, em algum aspecto (e porque não?) e você desejou ser perfeita.  Não teria sido melhor relaxar e curtir?
Eu voooou, e comendo muita pipoca.

Ohh notícias, tem bastante

Amores,

Tô na correria insana. Mas tô preparando umas coisinhas pra gente . . .
Entre outras coisas doidas, descobri que serei mamãe. Isso mexeu tanto comigo que até sonhei que estava dançando.
Algumas coisas a gente só faz por amor e precisa ser no susto.
Outras precisam de uma intervenção estilo "milagre" pra consertar - no meu caso essa indecente preguiça de dança que me levou a fazer muitas bobagens.
Enfim, parece que minha lucidez voltou: trazida por uma vida cheia de amor.
Ah, com poucas semanas esse nenê "porra louca" já me deixou com peitos enormes, náuseas curiosas - não posso ouvir Kate Perry cantando "Baby you are Firework!". Nuss, aim - nojo na hora. E minha barriga está bem proeminente, além do inchaço generalizado. Mas sabe de uma coisa? Se eu soubesse que seria tão feliz teria permitido antes.
Coragem, mamãe! Magníficas transmutações a caminho. Não vejo a hora de ouvir a risadinha desse "nenem do bem".
Já te amo muito.


Beijos

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Por que amamos bailarinas?

Em homenagem às queridas amigas, 
(e agradecendo Shaíde, que nos apresentou o magnífico:

 
 
Peço licença para batizar essa foto: A pensadora, em versão ballerina.
Amo vocês.
 

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Acontecimentos da semana

Pois é, essa semana foi bem interessante. Começou assim:
Segunda-feira estou lá na Morana, num dia calmo, tranquilo demais. 
Arrumo a seção de festa - nicho dedicado aos brincos e colares "indecentes " de tão brilhantes. Penso que aquilo tudo não faz sentido, a não ser numa estrela de cinema, numa princesa raptada de um castelo ou odalisca dos sonhos da gente - no máximo da fantasia ok. Tipo aquelas vinhetas que aparecem no Medalhão Persa, em que a modelo aparece no deserto - coberta de jóias e uma túnica de seda. Só o vento é capaz de tocar essa mulher.
Em meio aos meus pensamentos, percebo uma movimentação diferente, do tipo que pessoas de energia belíssima provocam ao adentrar um espaço. Os olhos das vendedoras se ergueram e percebi um suspiro numa delas. Olho atrás de mim, para a porta: Esmeraldah.
Peraí.
É, peraí.


Além de fã, admiradora  e aluna (sim, melhor aula particular ever) - sou apaixonada , paga pau,  por essa "garota das bochechas rosadas".
Isso ficou evidente quando eu disse: Para tudo, gente! Essa é Esmeraldah, Bellydancer internacional - há mais de 10 anos nos países árabes. . . - e eu não parava de baixar o C. V. da sílfide. 
Mas o fato é que a gente admira essa pessoa por uma série de coisas. Ela fisgou minha atenção com seu diário de viagem, há muito tempo . Além de linda e inteligente a bichinha se mostrava cheia de personalidade, numa época em que isso não era muito apreciado entre bailarinas.
Em 2005, tive a oportunidade de fazer uma aula de khaliji com ela, durante sua passagem por São Paulo. Foi quando a conheci pessoalmente e fiquei besta de vez.
Na última segunda-feira a vi ainda mais bonita e confiante, com aquele glow  magnífico de uma mulher que está feliz e satisfeita, muito obrigada. Realizando projetos, dedicando-se a si mesma e ao que acredita. Tudo com muita paixão nos olhos.
Ninguém segura um espírito livre: ele se movimenta por pura inspiração. 
Em meio ao emaranhado de obrigações e  convenções do mundo existe um intervalo: foi nesse intervalo que abracei Esmeh com muito carinho dentro da loja da Morana.











sábado, 1 de janeiro de 2011

Saudades (saudáveis) da dança

Espíritos rebeldes das dançarinas gitanas: uni-vos a mim em coro! 
Vocês de sangue quente, nascidas da migração dançante e apaixonada dos povos ibéricos. Pele clara, frágil como o cetim -  sob o sol intenso revela o dourado mais belo. Cabelos densos, indomáveis e olhos que refletem o verde cinzento das oliveiras.
Você ama o vento, a terra aquecida sob seus pés, o sol da tarde, o toque da percussão.
O ritmo persegue você com alegria: como cócegas agita seus pés, ombros e quadris; faz mover as pernas sem que você perceba. Até que alguém faz o alerta: "Cuidado! Não pode dançar!"
Acordo, estou trabalhando na loja do shopping- não devo dançar, nem mascar chiclete.
Embora Lady Gaga grite o que ela quiser nas caixas de som, eu - a "moça de preto" devo permanecer ,elegantemente, resistindo a todos os chamados e apelos desse parque de diversões montado para mim. Minha função é clara: minha prioridade é simples.
Aí você pensa: Que horror. Eu confesso, I'm loving it.